Deputado protocola Projeto de lei que proíbe chamar de carne produto sem proteína animal

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.
13/05/2022 14:39 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Fernando Cury

Compartilhar:

Fernando Cury<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-05-2022/fg286694.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O deputado estadual de São Paulo, Fernando Cury (União Brasil), protocolou nesta quarta-feira (11) o Projeto de Lei nº 273/2022 que proíbe o uso da palavra carne e seus derivados, sinônimos ou em língua estrangeira, em rótulos e embalagens de produtos sem proteína animal.

"A palavra carne vem sendo utilizada de maneira equivocada em produtos de origem vegetal e/ou mineral, induzindo o consumidor ao erro, em flagrante ato de propaganda enganosa", explica o parlamentar na justificativa do PL. Cury preside a Frente Parlamentar do Agronegócio Paulista (SP-AGRO), desde dezembro do ano passado.

De acordo com o texto do projeto, os artigos serão acrescentados na lei estadual 17.373/2021, que dispõe sobre a inspeção e fiscalização sanitária e industrial de produtos de origem animal do estado de São Paulo.

"Quero destacar a valorização do produtor rural, do homem do campo e do agronegócio paulista e, além da proteção aos direitos do nosso consumidor. O consumidor tem o direito de ter as informações corretas do que ele vai levar para casa sem ser induzido ao erro por propaganda enganosa ou abusiva", afirma Fernando Cury.

A iniciativa tem apoio das entidades do setor, como a presidente da Câmara Setorial da Pecuária da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo (SAA-SP), Chris Morais. "Construímos isso a muitas mãos e o deputado foi muito parceiro. O projeto é muito interessante porque vai valorizar o consumidor e orientá-lo", diz a presidente, que também é produtora rural, engenheira civil e pecuarista. "Questão de transparência", completa.

Já protocolado, o PL da carne passa pelas comissões da Assembleia Legislativa antes de ir para votação em plenário. Depois, se aprovado, segue para sanção do governador Rodrigo Garcia.